domingo, 1 de agosto de 2010

Datena, ateus e discriminação religiosa

Felizmente temos avançado - a passos de tartaruga, mas temos - rumo a uma sociedade mais justa e igualitária. Hoje, se um apresentador de TV brasileiro diz algo que soe minimamente crítico à homossexualidade haverá uma forte cobrança e há chances de que ele seja condenado na justiça por discriminação sexual. O apresentador José Luiz Datena do programa Brasil Urgente da Rede Bandeirantes de Televisão foi denunciado pelo Ministério Público por "prática discriminatória" contra travestis em função de comentários feitos no ar. Recentemente, os casais homoafetivos ganharam o direito de declarar o companheiro ou companheira como dependente no IR. Candidatos a presidente são cobrados quanto ao posicionamento em relação ao casamento homossexual - embora se esquivem com respostas evasivas.

Sim, está-se longe do mar de rosas. Homossexuais são vítimas de crimes de ódio e há muita discriminação e preconceito oculto. Ao menos, no entanto, a cultura está mudando e ninguém se sente à vontade de declarar em público que discrimina os homossexuais - no mínimo precisam começar com a manjada frase: "Não tenho nenhum preconceito, mas..."

Um grupo socialmente minoritário, porém, ainda é alvo de muito preconceito aberto. São os ateus.

Em 2007, o instituto CNT/Sensus em uma pesquisa para a revista Veja, perguntou se as pessoas votariam em um candidato ateu para presidente. 59% dos entrevistados disseram não (contra 34% que não votariam em um homossexual, 12% em mulher e 1% em negro). Em uma pesquisa conjunta do Instituto Rosa Luxemburg e da Fundação Perseu Abramo de 2008, revelou que 42% dos brasileiros sentem aversão aos ateus (17% ódio/repulsa e 25% antipatia): o outro grupo que tem rejeição similar é a dos usuários de drogas, 41% (garotos de programa, 26%; transexuais, 24%; travestis, 22%; prostitutas, 22%; gente muito religiosa, 22%; gays, 20%; lésbicas, 20%; ex-presidiários, 21%; gente muito rica, 20%; bissexuais, 19%; pessoas com aids, 9% e pobres, 3%).

O mesmo apresentador Datena sentiu-se à vontade para achincalhar os ateus. A mídia fez ouvidos moucos e não está a cobrir o movimento de revolta entre muitos ateus (no serviço de microblog twitter, muitas manifestações foram postadas com a hashtag #CALABOCADATENA). Algumas organizações ateias e ateístas estão a organizar ações para que o ofensor seja devidamente processado, como a Atea (Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos) e oa LiHS (Liga Humanista Secular do Brasil).

Em um país em que 97% da população acredita em deus ou em uma força divina segundo números do Datafolha de 2007 - e em que os ateus devem somar não mais do que 700 mil brasileiros - é fácil minimizar ou mesmo apoiar as barbaridades ditas ao vivo em rede nacional. Mas é justamente aí, na possibilidade de opressão contra um grupo tão minoritário, que devemos ser ainda mais vigilantes e intransigentes à violação do direito à integridade moral dos indivíduos. A democracia se faz justamente no respeito à diversidade e no reconhecimento do direito de minorias - de outro modo teríamos tão somente a ditadura da maioria, expurgando de seu meio qualquer grupo considerado pária.

Se a mídia e a imprensa querem se postar como instrumento da democracia não podem se omitir em relação a essa absurda transgressão à lei que veda explicitamente a discriminação religiosa (aos que objetarem que o ateísmo e a ateidade não são religião, a natureza da discriminação é religiosa, interferindo na liberdade de culto - que inclui a liberdade de não prestar cultos - garantida pela Constituição Federal). Mesmo que não queiram tomar partido, a situação é suficientemente grave para que pelo menos tomem nota. (Não, não se condena antecipadamente ao apresentador - considero que houve a infração, mas ainda assim é preciso que seja cumprido o devido processo legal.)

Nota: Não sou ateu. Tenho amigos ateus e ateístas, bem como amigos religiosos de diversas correntes e com diversos graus de religiosidade.

Upideite(08/ago/2010):
Publiquei o mesmo texto no Observatório de Imprensa.

6 comentários:

Damn ! disse...

Muito bom o texto. Repassei.

alvaroludolf disse...

Nota: Não sou homosexual. Tenho amigos gays e lesbicas, bem como amigos heteros de diversas correntes e com diversos graus de sexualidade.

---

Caramba... os ateus são os novos gays.

none disse...

Ludolf,

De certo modo os ateus são os novos gays - são o grupo mais discriminado abertamente agora.

Veremos se teremos a mesma conscientização de que são cidadãos como qualquer outra pessoa.

[]s,

Roberto Takata

none disse...

Damn!

Valeu!

[]s,

Roberto Takata

Osame disse...

Os ateus sao minoria mas Ricardo Mioto da Folha acha que nao é uma minoria oprimida. Seus argumentos sao:

1. Ateus fazem parte da elite intelectual, economica, politica e cientifica.
2. O fato de Indio da Costa ter acusado Dilma de ser atéia apenas fez aumentar a votacao em Dilma e diminuir sua rejeição, pois os eleitores nao gostam de ataques gratuitos.
3. Já tivemos alguns presidentes ateus (no inicio da republica, com os maçons positivistas, e recentemente FHC, por oito anos!)
4. Uma minoria oprimida nao tem meios de se defender (criancas, idosos, indios). Os ateus tem grande poder de mobilizacao e luta por seus direitos, sao na verdade hipervocais, escrevem blogs etc, o que nao acontece com as verdadeiras minorias sociais.

Ou seja, o preconceito contra os ateus é similar ao preconceito contra intelectuais, cientistas, ricos, loiras etc

Note tambem que o preconceito é combinatorial:

O preconceito contra o ateu vem da natureza social da religiao (nao, a opcao religiosa nao é uma opcao privada para a maior parte das pessoas). Os cristaos nao se submetiam ao culto dos cesares (tidos como filhos de Apolo etc) e eram, por isso, chamados de ateus no século II E.C. Os romanos ficavam nervosos porque para eles os cristaos afrontavam os patronos (deuses) das cidades, e isso poderia trazer calamidades para as mesmas.

É o mesmo raciocinio quando uma empresaria New Age diz que nao contrata ateus porque eles trazem más energias para a empresa.

Por outro lado, eu tenho alguns amigos ateus que nao dao carta de recomendacao para estudantes religiosos, pois dizem que nao é possivel uma pessoa ser religiosa e ser bom cientista.

E se o cara escreve "Agradeco a Deus" na pagina de agradecimentos da tese, entao já perdeu vários pontinhos... rs (acho que eu faço isso!)

E assim caminha a humanidade. Os mais fortes e adaptados ao meio social Darwinianamente vencerão, e nao tenho certeza se os mais fortes sao os ateus...

Takata, sai de cima do muro e do armario: se vc nao é ateu, nem religioso, nem gosta do Darwinismo Cosmologico (a Terceira Via), vc é o que? Agnóstico? Mas, pelo que me lembro, vc tambem dizia nao ser agnostico!

Existe uma Quarta Via? Qual?

Osame disse...

Esqueci de falar do preconceito combinatorial. Pergunte para as pessoas: Vc nao vai votar na Marina por ela ser

( ) Pobre
( ) Negra
( ) Mulher
( ) Evangelica

3% nao votam em pobres, 12% em mulher, acho que uns 30% em negros (no voto secreto, se perguntarem eles dizem que votam!) e 22% nao votam em evangelicos.

Isso explica porque Marina só está com 8,5% na pesquisa Sensus, embora, convenhamos, ela é o candidata mais honesto e decente, nao está coligada com partidos do atraso, nao apoia candidato da Opus Dei e tem o melhor vice (torça para que o Indio da Costa nao apronte - aprove uma lei anti-ateus - quando o Serra viajar...)